Alceu Bett | Borderline s/titulo 02

R$ 2.800,00Preço

Obra: Borderline s/titulo 04  | Ano: 2017

Coleção Borderline, 2017

Técnica Fotografia Fine Art

Tiragem 1/10 

Papel Fotográfico Adesivo : 60x90 cm

Suporte: PVC

SOBRE O ARTISTA 

Artista Visual e Cineasta, inicia sua carreira como fotógrafo ao desenvolver o projeto “Os excluídos” com a Anistia Internacional e Centro de Defesa dos Direitos Humanos, resultando em uma exposição Fotográfica e campanha destas instituições.

Expõe seus trabalhos de artista visual em várias galerias de arte, mostras coletivas e individuais na Europa, após ser convidado para a “Bienal Internacional de Fotografia” com a Exposição “Havana” em 1998.

Também atua como diretor e roteirista dos filmes “As Mortes de Lucana” 2012 e “ O Aquário de Antígona” 2016 exibido em vários festivais internacionais de Cinema.

Atualmente além de curador em Fine Art, desenvolve como Diretor Executivo os Festivais Internacionais de Cinema Shortcutz e Joinville International Short Film Festival. 

Formado em Fotografia Cinematográfica pela Escuela Internacional de Cine y television - San Antonio de Los Banos – Cuba. 1997. Especialização em Direção de Cinema e TV pela Universidade Moderna de Lisboa. 2004

 

SOBRE BORDERLINE

No fundo das aparências * Por Muriel Paraboni

 

Não é difícil relacionar as obras fotográficas, e sobretudo o processo intuitivo de Alceu Bett, à pintura informal, ainda que por caminhos nada óbvios. Como nada óbvia é também sua trajetória, tendo por anos fotografado espetáculos de dança no Brasil e na Europa, chegando a acompanhar a lendária companhia Wuppertal, de Pina Bausch. É a partir desse lugar insuspeito que o artista visual e cineasta pôde exercitar a ciência do movimento e da expressão, apreendendo as sutilezas do corpo (o do artista e o do objeto diante da câmera) que instaura no tempo e no espaço a potência estética da imagem. Era de esperar, portanto, tendo dado inúmeras provas fílmicas e fotográficas de seu flerte progressivo com o subjetivo, com o psicológico e com o abstrato, que em algum momento Alceu optasse de fato pela renúncia total da figura. E no instante em que o faz, tal como na abstração lírica de pintores como Hans Hartung e Antoni Tápies, concebe imagens que, despojadas de seu referencial externo de origem, sustentam-se por si mesmas na estrutura dinâmica das cores e das camadas, das dissoluções, dos resíduos e dos acidentes químicos de um processo experimental de afluências musicais, com ressonâncias tanto da dança como da pintura. "BORDERLINE" estabelece um marco significativo na trajetória do artista ao recolocar a autoria na pauta da fotografia contemporânea. Nos sucessivos gestos que atentam para dissolução da imagem, o que se inscreve nas obras é nada menos que a essência expressiva do meio. Ao submergir fotografias figurativas em compostos químicos, experimentando todo o tipo de recurso, da decantação ao gotejamento, da raspagem à inscrição crua de um gesto, dialoga vividamente com Pollock em suas deambulações rituais em torno da tela estentida no chão, origem de seus famosos drippings. O desejo que move os artistas é de natureza semelhante: dança ou ritual que através do corpo religa o ser à sua essência. Ou o meio à sua potência. Para Alceu Bett a imagem fotográfica é menos uma concepção do tempo, de fixar um instante qualquer, do que do movimento, a imagem como expressão bruta de estados anímicos, em plena transmutação. A analogia que vai da matéria física ao plano das sedimentações psicológicas é sem dúvida apropriada: a abstração como processo de mergulho nas profundezas do ser, resultando na emergência poética da reminiscência e da projeção, como quer Jodorowsky, referência cara ao artista. O resultado não são meras fotografias abstratas, como se poderia supor, mas imagens líricas em pleno movimento, em passagem indeterminada pela dança e pela pintura, entre os vestígios da figura e sua recomposição orgânica na imanência profusa das formas. Por consequência, imagens que já não podem (porque já não querem) representar a aparência externa do mundo, em sua busca flagrante pelo que está mais ao fundo, mais próximo de quem olha, a natureza fenomênica (e poética) da realidade talvez. Paradoxalmente, ao mirar o que está além desvela o que nos é mais íntimo, tornando subitamente visível o complexo movimento das forças que nos consubstanciam. A fotografia vibra como realidade ela mesma, não aceitando do olhar menos que o envolvimento, o mesmo jogo subjetivo que a origina. Alceu Bett trai assim a previsibilidade da imagem técnica, usando da gestualidade e da intuição para neutralizar o excesso de controle inerente à tecnologia. Em outras palavras, como sonhava Benjamin, transcende a rigidez do dispositivo, fazendo a máquina trabalhar para si. E ensaia em sua dança um reencontro oportuno com a liberdade da arte informal, agitando com vigor a superfície da fotografia.

* Muriel Paraboni é cineasta e artista visual, mestre em Poéticas Visuais pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Logo 1.png
LOGO 33WORKSTUDIO.jpeg

Conheça outras iniciativas do Grupo33

LOGO TODO PB BOLD.jpeg

Nós do Grupo 33 gostariamos de

agradecer nossos apoiadores

logo-whatsapp-vermelho-png.png
  • Black Facebook Icon
  • Black YouTube Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black TripAdvisor Icon
  • YouTube

Rua Bento Gonçalves, 33
Joinville - Santa Catarina - Brazil, 89216-110
Tel: +55 47  99277-2016 (whats) 

contato@galeria33.com

© 2014-20 | Grupo 33